SIRECOM-PR APOIA CAMPANHA MAIO AMARELO PARA REDUZIR MORTES NO TRÂNSITO

 

A relevância das ações de conscientização da educação no trânsito faz do SIRECOM-PR um grande apoiador do Movimento Maio Amarelo, uma mobilização internacional que ocorre simultaneamente em 27 países e 423 cidades diferentes, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

No Brasil, o Observatório Nacional de Segurança Viária criou o movimento em 2014 para conscientizar motoristas, motociclistas, ciclistas, pedestres a evitar atitudes perigosas para diminuir o número de acidentes e preservar a vida.

O lançamento oficial da campanha 2019 no Paraná aconteceu nesta-quinta-feira (2), na sede Polícia Rodoviária Federal (PRF), em Curitiba, com a presença do vice-governador Darci Piana, o presidente do CORE e SIRECOM-PR, Paulo Nauiack, e o gerente geral do CORE-PR e vice-presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, Mauro Gil Meger, o vice-prefeito de Curitiba, Eduardo Pimentel, o comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Péricles de Matos, o diretor do Detran-PR, Cesar Kogut, o superintendente da PRF, Ismael de Oliveira, deputados federais e estaduais, vereadores, secretários municipais e entidades representativas.

“Pelas características da atividade profissional, o representante comercial é um viajante. Se não está enfrentando o trânsito da cidade onde mora para visitar seus clientes, está na estrada, se descolocando de município em município, de estado em estado, para fechar suas vendas. Como passa a maior parte do dia dirigindo, está muito exposto à acidentes. Por isso, as atividades educativas do Maio Amarelo são tão importantes para a nossa categoria profissional e para toda a sociedade”, disse Paulo Nauiack.

Com o tema “Maio Amarelo - no trânsito, o sentido é a vida”, a campanha deste ano apela para o poder das crianças em influenciar o comportamento dos pais. “Nosso foco são as crianças como formadoras de opinião, disse Mauro Gil. “A criança é o canal mais forte com a família. E ela que pode fazer com que todos mudem o comportamento”, afirmou.

“A população precisa ter a consciência de que muito dinheiro que se gasta com acidentes de trânsito poderia ser usado de outras maneiras pela saúde”, afirmou o vice-governador Darci Piana. “Todos nós, motoristas, pedestres, ciclistas, precisamos fazer o nosso papel, pensar sempre na conscientização. E que ela venha com os nossos filhos e netos. Que o pai entenda quando o filho avisa que ele está correndo muito”, reforçou.

A conduta responsável busca diminuir a taxa de mortalidade no Estado, que é de 20,65% - foram 2.338 óbitos em 2018, segundo o Detran-Paraná. “Temos números de mortes superiores a países que vivem em guerra. Precisamos tratar disso com responsabilidade de Estado”, alertou Piana.

AÇÕES

No Estado, haverá palestras, blitzes educativas e fiscalização em todos os municípios. O cronograma prevê atividades por áreas específicas – pedestres, ciclistas, motociclistas e motoristas. As ações se encerrarão com o 7º Fórum de Mobilidade Urbana, nos dias 30 e 31, no Parque Barigui, em Curitiba.

IMPRUDÊNCIA

De acordo com o Ministério da Saúde, foram registradas 37.345 mortes por acidentes de trânsito em 2016 no país, última contagem fechada pelo órgão. Segundo o Sistema Único de Saúde (SUS), cerca de 60% dos leitos hospitalares são ocupados por vítimas do trânsito. “Ninguém sai de casa e pega o trânsito pensando em matar ou morrer. Tudo é a imprudência. Precisamos ter sensibilidade para melhorar”, afirmou Cesar Kogut, diretor do Detran-PR.

“Em Curitiba temos cerca de 15 acidentes por dia com feridos, uma morte por semana. É preciso se pensar na melhor convivência entre carros e pedestres, fazer uma reflexão sobre o trânsito moderno”, acrescentou o comandante-geral da Polícia Militar do Paraná, coronel Péricles de Matos.

SOBRE O MOTE 2019

O OBSERVATÓRIO desenvolveu o mote com a proposta que os adultos ouçam o conselho dado por uma criança, que com sua ingenuidade e inexperiência perante a vida, tem uma percepção e absorção do que é certo e errado com mais eficácia, sem filtros.

A campanha teve sua inspiração nos cinco sentidos humanos, numa alusão à sinalização de trânsito. Ou seja, o trânsito é feito de sentidos. Para utilizá-lo, é preciso entender todos eles. Uma seta no carro da frente indica para onde ele vai virar. Um pedestre com a mão estirada na faixa de pedestre transmite o sentido de que ele quer efetuar a travessia. Só que, de sentido em sentido, fomos ficando egoístas e causando acidentes. Acabamos esquecendo um sentido muito importante: a audição. Precisamos voltar ao começo e ouvir os conselhos de quem não sabe mentir, e conhece muito bem o que certo e o que não é: as crianças”. Mas qual é o sentido de ouvir o conselho de uma criança? A resposta é pura e simples: O sentido é a vida.

NO TRÂNSITO, O SENTIDO É A VIDA

Este ano, a sexta edição do Maio Amarelo traz o tema “NO TRÂNSITO, O SENTIDO É A VIDA”, aprovado pelo (Contran) Conselho Nacional de Trânsito e recomendado na RESOLUÇÃO Nº 771, DE 28 DE FEVEREIRO DE 2019.

Assim como em 2018, o tema escolhido propõe o envolvimento direto da sociedade nas ações e uma reflexão sobre uma nova forma de encarar a mobilidade. Trata-se de um estímulo a todos os condutores, seja de caminhões, ônibus, vans, automóveis, motocicletas ou bicicletas, e aos pedestres e passageiros, a optarem por um trânsito mais seguro.

O mote sugerido pelo OBSERVATÓRIO também foi validado pela Associação Nacional de Detrans (AND), que o apresentou durante reunião geral.

De acordo com o OBSERVATÓRIO, os acidentes não acontecem, mas sim são frutos de escolhas inadequadas e arriscadas. Para José Aurélio Ramalho, presidente do Observatório, a maioria dos acidentes têm como motivação as falhas humanas como imperícia, imprudência e desatenção. “Somos os responsáveis pelos nossos atos no trânsito e ter consciência clara disso é um dos caminhos para a reversão do triste cenário não só do Brasil, mas de todo o mundo”, reforça.