CARREFOUR E RAPPI FIRMAM PARCERIA COM NOVO MODELO DE ENTREGA DE ALIMENTOS

Carrefour quer ser o líder no e-commerce de alimentos

 

O Grupo Carrefour e a Rappi, aplicativo de delivery rápido, firmaram parceria para a venda e entrega de itens alimentares com duas novas modalidades de serviço. O “express” oferece entrega em até 35 minutos e a função “supermercados”realiza o processo em até uma hora.

Inicialmente, segundo as empresas, o serviço será oferecido por meio do modelo tradicional de picking em supermercados e hipermercados do grupo Carrefour. Já nos próximos meses, as empresas pretendem oferecer os serviços a partir de dark stores da rede varejista, onde o próprio Carrefour fará a seleção de produtos e a Rappi cuidará somente da entrega.

O novo modelo traz eficiência à operação, já que o estoque, separado da área de vendas das lojas, será dedicado somente para suprir o serviço de delivery, garantindo ainda mais rapidez, segundo a CEO do Carrefour E-business Brasil, Paula Cardoso.

“Trazemos um grande diferencial para a operação desta categoria pela Rappi, ao mesmo tempo em que aumentamos a satisfação e qualidade da experiência de compra do nosso cliente.  Oferecemos mais um canal de compra, que complementa nossos formatos de loja e e-commerce, com uma opção ainda mais cômoda para pessoas que optam por não utilizar carro ou querem aproveitar a rapidez e frente de baixo custo”, afirma.

Atualmente, o delivery do Carrefour pela Rappi já está disponível em Curitiba, São Paulo, Barueri, Santana de Parnaíba, Santo André, Campinas, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Brasília, Recife, Fortaleza e Porto Alegre. A expectativa é chegar a mais 12 cidades nas próximas semanas e, futuramente, em todas os municípios em que o Carrefour opera e que haja cobertura da startup – presente em 15 municípios brasileiros.

De acordo com Sebastian Mejía, sócio-fundador da Rappi, a parceria vai ao encontro dos objetivos da empresa de democratizar o seu serviço.

“Nossa missão é ser a maior loja virtual da região e, para isso, escutamos cuidadosamente as demandas dos nossos clientes. Esta parceria nos ajuda a expandir nossa oferta para estarmos ainda mais presentes na rotina de nossos usuários, facilitando suas vidas”, finaliza.

 

LÍDER NO E-COMMERCE DE ALIMENTOS

As vendas de alimentos pela internet ainda são muito pequenas, mas já há interessados em liderar esse setor. O Carrefour tem investido em logística, marketplace e parcerias para se tornar o líder no e-commerce alimentar.

“O comércio eletrônico de alimentos ainda é muito novo, mas é um mercado que vai se desenvolver. Já somos o líder no varejo alimentar, não podemos ficar fora do e-commerce”, afirmou Sébastien Durchon, diretor financeiro do grupo Carrefour Brasil, em conferência com a imprensa sobre a divulgação de resultados de 2018. A ideia é ultrapassar o concorrente, o Grupo Pão de Açúcar, em dois ou três anos, “mas se for possível ainda esse ano, melhor”, disse o diretor.

O Carrefour reportou 51,3 bilhões de reais em vendas líquidas em 2018, entre as vendas no varejo e no Atacadão. As vendas diretas pela internet, sem incluir o marketplace, representaram 10,4% das vendas do Carrefour Varejo, excluindo gasolina.

Um dos motores para esse crescimento é a parceria com a Rappi, startup colombiana de entregas, firmada em janeiro. 48 unidades do Carrefour já foram cadastradas na plataforma. Assim, quem faz o trabalho pesado de receber os pedidos de compra, selecionar os itens e fazer a entrega é a startup. “Estamos trabalhando a quatro mãos e queremos construir um modelo diferente, mais eficiente”, afirmou Durchon.

Além da Rappi, a empresa está investindo em novos modelos de entrega, focados na integração com as lojas físicas. O Clique e Retire já representa 10% do total de vendas diretas na internet, o que impulsiona inclusive as vendas físicas. Cerca de um terço dos consumidores que vão a uma loja retirar um pedido acabam fazendo uma nova compra. Já o serviço Retire de Carro, focado em alimentos, chegou a 10 lojas.

A corrida pela liderança é grande, mas o mercado ainda é muito pequeno. Alimentos são a principal categoria do varejo brasileiro: representam 35% das vendas totais, ou 325 bilhões de reais, afirma a pesquisa. Mesmo assim, a venda online de alimentos está no extremo oposto. É a segunda menor categoria no comércio eletrônico, com apenas 0,4% de participação nas vendas totais.

 

FONTES: CONSUMIDOR MODERNO E REVISTA EXAME

 

Paula Cardoso, CEO do Carrefour eBusiness Brasil, e Sebastian Mejía, sócio-fundador da Rappi.