BRASIL TEM MAIOR ÍNDICE DE ‘NEM-NEM’ QUE NÃO PROCURA EMPREGO E NEM AJUDA EM CASA

 

A taxa de jovens do Brasil que não estudam nem trabalham, os chamados "nem-nem", é de 23%, maior que a média da América Latina e Caribe, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O levantamento mostrou que, naquela região, 21% da população com idade entre 15 e 24 anos fazem parte do grupo sem trabalho ou estudo — o equivalente a 20 milhões de pessoas. Apenas El Salvador (24%) e México (25%) têm indicadores superiores ao brasileiro. Os outros quatro países pesquisados exibem proporções menores: Chile (14%), Colômbia (16%), Haiti (19%) e Paraguai (15%).

A pesquisa revelou também que os nem-nem do Brasil têm o índice mais elevado, no universo pesquisado, de jovens completamente ociosos. Cerca de 12% não fazem tarefas domésticas, não ajudam em cuidados familiares ou em negócios dos pais, e também não procuram emprego. Na América Latina e Caribe, essa taxa é de apenas 3% dos nem-nem.

Somente o Chile tem proporção superior que a média da região, com 10% dos jovens nem-nem sem qualquer atividade —  mas ainda assim uma taxa inferior à do Brasil. Na Colômbia, El Salvador, Haiti, México e Paraguai, a proporção dos sem estudo ou trabalho que não desempenham nenhuma outra tarefa produtiva oscila entre 1% e 2%.

Entre as atividades realizadas pelos nem-nem brasileiros, 36% procuram emprego, 44% ajudam em cuidados familiares e 79% fazem trabalhos domésticos ou ajudam os pais nos negócios deles. Um mesmo jovem pode fazer mais de uma atividade, por isso a soma dos percentuais ultrapassa 100%.

Para a pesquisadora do Ipea, Joana Costa, uma das autoras do estudo, os dados apontam que há uma falsa noção de que os nem-nem não têm qualquer obrigação. Ela aponta a situação brasileira, com a mais elevada taxa de pessoas desse grupo completamente ociosas, como um ponto de atenção, mas ressalta que a maior parte dos jovens faz alguma atividade.

— A pesquisa tira esse estigma de que o nem-nem não faz nada, não quer nada. No caso dos homens, estão procurando emprego. No das mulheres, estão cuidados de filhos, da casa — aponta Joana.

Ter filho na adolescência é uma marca especial dos nem-nem em todos os países pesquisados. No Brasil, quase 25% deles foram pais ou mães precocemente. Anne Posthuma, especialista de emprego e mercado de trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT), destaca que as políticas públicas precisam traçar estratégias para atender o jovem com filho, citando a conhecida falta de creches públicas no país.

—  É preciso enfatizar a questão das jovens meninas, geralmente mães precoces que acabam enfrentando esse desafio de conciliação com o estudo ou trabalho, e ainda a responsabilidade familiar. Há uma impossibilidade de conciliar três tipos de demandas sem políticas públicas que atendam a essa realidade—  afirma Anne.

As aspirações educacionais dos jovens em geral —  não apenas os nem-nem —  são mais baixas no Brasil que nos outros países pesquisados. Enquanto 94% dos que terminaram o ensino médio na Colômbia almejam alcançar o ensino superior, no Brasil são 77%. É a mais baixa taxa verificada na pesquisa. No grupo com ensino fundamental, 25% dos brasileiros aspiram chegar somente ao ensino médio. Apenas o Paraguai tem taxa maior, de 27%.

Embora a maioria queira ascender educacionalmente, os jovens brasileiros não mostram habilidades cognitivas e técnicas elevadas. A taxa de respostas corretas em testes de matemática foi a menor entre os países, de 46%, seguida em ordem crescente por El Salvador (53%), México (59%), Paraguai (60%), Haiti (60%), Chile (65%) e Colômbia (72%). A média ficou em 62%.

Apenas 15% dos jovens brasileiros falam inglês fluente, apontou a pesquisa. Somente Paraguai e Haiti tiveram índices piores, de 10% e 11% respectivamente. El Salvador (27%), Colômbia (26%) e Chile (26%) aparecem com as maiores taxas. Já a destreza no uso de tecnologias digitais se mostrou bem difundida entre todos os países, com indicadores acima de 80%, com exceção do Haiti, onde só 55% dos jovens demonstraram conhecimento.

A pesquisa “Millennials na América Latina e no Caribe: Trabalhar ou Estudar?” foi realizada com a participação de mais de 15 mil jovens de 15 a 24 anos em nove países (Brasil, Chile, Colômbia, El Salvador, Haiti, México, Paraguai, Peru e Uruguai). Peru e Uruguai não aparecem nas comparações traçadas pelo estudo por questões metodológicas. O grupo do Ipea fez também uma pesquisa qualitativa, com 49 jovens de Recife, sobre temas derivados do levantamento.

FONTE: O GLOBO