INTENÇÃO DE CONSUMO DOS PARANAENSES CRESCE 12% EM 12 MESES

A confiança dos consumidores paranaenses continua a subir. Em março, o indicador de intenção de Consumo das Famílias (ICF), elaborado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), cresceu 12% no Paraná em comparação ao ano passado. Com 111,2 pontos, o indicador também é 3% superior a fevereiro.

O indicador nacional está em 88 pontos e mesmo positivo, continua abaixo da zona de indiferença (100 pontos), indicando nível moderado de otimismo das famílias brasileiras.

A maior elevação é verificada nas famílias com renda superior a dez salários mínimos, nas quais o indicador chegou a 123,6 pontos neste mês, o que corresponde a alta mensal de 8% e crescimento de 23% na variação anual.

Entre as famílias com renda até dez salários mínimos também houve aumento na ICF. A pontuação é de 108,5 pontos em março, com acréscimo de 1,78% em relação a fevereiro e de 15,6% ante março de 2017.

Consumo

A Perspectiva de Consumo, um dos principais itens avaliados na pesquisa, chama a atenção por ter se elevado 7,4% com relação ao mês anterior e 33,2% em comparação a 2017. O quesito Nível de Consumo
Atual também teve aumento expressivo, com alta de 3,3% na variação mensal e 20,5% na variação anual. Diante deste cenário, o percentual de paranaenses que estão dispostos a comprar bens duráveis, de maior valor, subiu 8,4% ante o mês anterior e 2,7% em relação a março do ano passado.

Emprego

A situação no emprego é um dos motivos que explica a retomada no consumo das famílias. O índice de paranaenses que se sentem mais seguros sobre sua situação atual no trabalho é 1,4% maior do que no mês passado e 8,7% superior ao mesmo mês de 2017. A Perspectiva atual, que sinaliza a expectativa de melhor profissional nos próximos seis meses, ficou estável ante fevereiro (-0,2%), mas subiu 5,9% na variação anual.

Renda

O quesito Renda Atual avançou 1,3% ante fevereiro e 0,6% quando comparado a março do ano passado. Já o item Acesso ao Crédito aumentou 2,6% na variação mensal e 12,6% na variação anual, o que indica que os consumidores estão sentindo os efeitos da redução gradativa das taxas de juros e da maior disponibilidade de crédito.