SONAE ESTUDA COMPRA DO WALMART BRASIL

O grupo português Sonae avalia a compra da operação brasileira do Walmart. As negociações envolvem a participação de fundos de private equity que também podem entrar como sócios na operação com os portugueses, com a injeção de parte do capital. A intenção é ter pelos menos um fundo de investimento na transação, segundo uma fonte a par do assunto.

Maior grupo varejista do mundo, o Walmart decidiu buscar sócios para o negócio no país, e estuda a venda de uma parcela da operação ou até de 100% do negócio - a depender da evolução das propostas que estão sendo discutidas. O Goldman Sachs assessora o Walmart. No caso da Sonae, as conversas iniciais envolvem a compra de 100% da operação brasileira.

No país, o Walmart não tem se manifestado sobre as informações de venda da empresa ou de busca de um sócio. A respeito das negociações com a Sonae, o grupo também preferiu não comentar. Procurada, a Sonae não respondeu aos pedidos de entrevista até o fechamento desta edição.

Entre os investidores que já analisam, há alguns meses, a hipótese de um acordo com o Walmart - o grupo Sonae não é único que avalia o ativo - estão a gestora de private equity Advent International, L Catterton, maior fundo de investimento em consumo do mundo (um dos sócios é o bilionário francês Bernard Arnault) e a Acon Investment, menor que os outros fundos, com US$ 5,5 bilhões em ativos. A 3G Capital, de Jorge Paulo Lemann (sócio da Lojas Americanas), também teria avaliado a operação no fim do ano passado.

Outros fundos já avaliaram a operação mas desistiram de avançar nas conversas, como o Carlyle, diz uma segunda fonte.

Como o Sonae não tem negócios em supermercados no país, uma transação não teria dificuldades em ter o aval de órgãos de defesa da concorrência, ao contrário de redes já estabelecidas, como Carrefour ou Grupo Pão de Açúcar.

O interesse da Sonae surge pouco mais de 12 anos após a empresa ter vendido suas 140 lojas no país para o mesmo Walmart Brasil - e com isso, saído do país ao se desfazer dos seus negócios no varejo local. Há investimentos em shopping centers no país por meio da Sonae Sierra Brasil - os portugueses tem 50% de participação na controladora da empresa, a Sierra Brazil 1 B.V.

As conversas entre Walmart e Sonae ocorrem após a morte de Belmiro de Azevedo, presidente do conselho de administração até 2015, e o principal nome que defendia, naquele período, a saída da Sonae do varejo brasileiro. Aos mais próximos, Azevedo criticava duramente as dificuldades para se fazer negócio no Brasil.

Após o grupo anunciar, em dezembro de 2005, a venda de 140 pontos ao Walmart por R$ 1,7 bilhão, ele disse que a paciência da empresa com o país tinha acabado. "Somos corredores de longo prazo e temos sido pacientes. Mas a paciência esgota-se", afirmou Azevedo na época.

O cenário atual é diferente daquele de 12 anos atrás, especialmente no que se refere às taxas de juros mais elevadas - os altos juros era um aspecto central na crítica dos portugueses à operação no país. Mas a empresa ainda ressaltava a dificuldade em operar no varejo brasileiro de forma rentável.

Na época, a Sonae se desfez de um negócio de R$ 3 bilhões em vendas e pontos de varejo na região Sul com as bandeiras Nacional, BIG, Mercadorama e de unidades da atacadista Maxxi.

Neste momento, Duarte Paulo Azevedo, de 52 anos, filho de Belmiro, é o presidente do conselho e Co-CEO, e a filha de Belmiro, Claudia Azevedo, 48 anos, está à frente da Sonae Capital.

Ainda que um acordo evolua, e mesmo considerado um cenário econômico que, de certa forma, difere daquele da década passada, a Sonae teria que gerir um negócio com resultados ainda instáveis. O Walmart está em fase de renovação de lojas e tentando avançar num modelo de integração de pontos físicos e site após um período longo de união de ativos comprados - e de altos e baixos nos resultados. Isso ocorre especialmente na margem de lucro bruta e no lucro operacional, segundo dados publicados até meados de 2017.

Desde o terceiro trimestre de 2017, o grupo decidiu parar de publicar números sobre o desempenho no país - e também tem mencionado menos a operação nas conferências sobre os resultados globais (o país equivale a 2% das vendas mundiais).

Nos últimos dias também tem circulado no mercado informações sobre negociações envolvendo especificamente a operação do Maxxi Atacado, controlada pelo Walmart, e com cerca de 40 pontos. O Valor apurou que o negócio foi oferecido, isoladamente, para varejistas brasileiras entre o fim de 2017 e início deste ano. Sondagens teriam sido feitas pelo Credit Suisse - que procurado, não se manifestou, assim como o Walmart.

FONTE: VALOR ECONÔMICO