PIB CRESCE 0,1% NO 3º TRIMESTRE, NA TERCEIRA ALTA SEGUIDA

No terceiro trimestre deste ano, a economia brasileira registrou a terceira alta seguida. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,1% em relação aos três meses anteriores, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta sexta-feira (1º). Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,6 trilhão.

Os economistas previam uma variação do PIB maior no terceiro trimestre. No entanto, eles ressalvam que a variação de 0,1% no período foi compensada por uma revisão no resultado do PIB acima das expectativas.

“O 0,1% espantou um pouco, mas é preciso ter cuidado nessa análise, porque o IBGE revisa bem as contas no terceiro trimestre e isso mudou bem a dinâmica trimestral”, afirma Alessandra Ribeiro, economista da Tendências, que projetava uma alta de 0,4%.

O IBGE revisou o PIB do primeiro e segundo trimestres. Em vez do crescimento de 0,2% no período de abril a junho, o avanço foi de 0,7%. Já no primeiro, o crescimento foi de 1,3%, ao contrário do 1% anteriormente divulgado.

Dois dos três setores que compõem o cálculo do PIB registraram avanço. A indústria cresceu 0,8%, influenciada pelas indústrias de transformação (1,4%) e extrativa (0,2%), e os serviços avançaram 0,6%, diante do resultado positivo do comércio (1,6%).

Na contramão, a agropecuária recuou 3%, após uma queda de 2,3% no trimestre anterior e de uma forte alta de 12,9% de janeiro a março.

“A agropecuária foi a grande responsável pelo PIB não ter crescido mais. Caiu porque a gente não tem mais safra da soja e entrou a safra da cana, que está com estimativa de queda. Pelo serviço e pela indústria, a gente teria crescido bem mais”, disse Rebeca de La Rocque Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE. Segundo ela, ignorando a agropecuária, o crescimento do terceiro trimestre teria ficado entre 0,6% e 0,8%.

Também é considerado no cálculo do PIB o consumo das famílias, que durante muitos anos sustentou o crescimento da economia. No terceiro trimestre, a alta foi de 1,2%, a mesma registrada no trimestre anterior. As despesas do governo seguem em queda pelo quinto trimestre consecutivo, segundo o IBGE.

O desempenho do setor externo também contribuiu com o PIB do terceiro trimestre, ainda que com peso menor do que os outros indicadores. As exportações cresceram 4,1%, depois do avanço de 1,2% no segundo trimestre, e as importações subiram 6,6%, após a queda de 3,4%.

Investimentos

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), taxa que apura o que se investe em máquinas, bens duráveis e construção civil e que entra no cálculo do PIB, avançou 1,6% na comparação com o trimestre anterior. A última variação positiva do indicador tinha sido registrada no terceiro trimestre de 2013 (0,6%).

Com a alta, a taxa de investimentos medida em percentual do PIB (Produto Interno Bruto) subiu para 16,1% no 3º trimestre.

Com a volta dos investimentos reforça as apostas de que a recuperação da economia brasileira tende a ganhar um pouco mais de tração daqui para frente.

“A grande diferença neste trimestre pela ótica da despesa é a recuperação dos investimentos. Até o ano passado a gente continua com quedas seguidas e agora houve crescimento de 1,6%”, disse a coordenadora.

De acordo com Rebeca, o avanço dos investimentos tem a ver com a produção e a importação de bens e serviços, já que a construção ficou estável em relação ao trimestre anterior.

Comparação com 2016

Em relação ao mesmo período do ano passado, o PIB registrou alta de 1,4%, a maior desde o primeiro trimestre de 2014. Nessa base de comparação, ao contrário do que foi observado na análise trimestral, a agropecuária cresceu 9,1%. O IBGE atribui esse resultado ao desempenho da safra no período, como o do milho (54,9%) e do algodão herbáceo (10,7%).

A indústria avançou 0,4%, puxada pelo aumento da produção de alimentos, veículos, móveis, máquinas e equipamentos, entre outros. Serviços, por sua vez, teve alta de 1%, sob influência do comércio (atacadista e varejista).

Acumulado no ano

No ano, o PIB acumula crescimento de 0,6%, puxado pela agropecuária, que cresceu 14,5%. Já a indústria tem queda de 0,9%, puxada pelo recuo visto na construção (-6,1%). O setor de serviços também tem, até setembro, resultado negativo (-0,2%), influenciado pelos recuos nos ramos de informação e comunicação (-2%) e atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-1,8%).

Apesar de ter subido pela primeira vez em 16 trimestres no período de julho a setembro, a Formação Bruta de Capital Fixo, que é um indicador de investimento da economia, acumula queda de 3,6% no ano.

A despesa de consumo das famílias avança 0,4% e os gastos do governo recuam 0,6%. As importações de bens e serviços sobem 3,9%, e as exportações, 4%.

FONTE: G1