1º trimestre positivo para o comércio paranaense

O faturamento do comércio no mês de março apresentou desempenho positivo nos três indicadores analisados pela Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR). No acumulado do ano, as vendas de janeiro a março tiveram crescimento de 5,66% sobre igual período de 2014.

Em relação a fevereiro, as vendas de março cresceram 17,09% e na comparação com o mesmo mês do ano anterior houve crescimento de 11,74%. Esses resultados foram fortemente influenciados pela sazonalidade. Como o Carnaval ocorreu em fevereiro, que teve apenas 21,5 dias úteis, em março os estabelecimentos comerciais tiveram 26 dias para as vendas, enquanto no mesmo mês de 2014 foram 23,5 dias úteis.

No Paraná, os setores que mais influenciaram os resultados do primeiro trimestre foram combustíveis (27,26%), lojas de departamentos (9,91%), farmácias (9,2%), óticas, cine-foto-som (7,63%) e supermercados (7,51%).

De acordo com o presidente do Sistema Fecomércio Sesc Senac PR, Darci Piana, o primeiro trimestre apresenta, geralmente, os menores indicadores de vendas do ano. O indicador positivo para o período de janeiro a março deste ano é motivado pelo comércio regional. Composta por uma amostra de 1.600 empresas de pequeno a grande porte do Paraná, a pesquisa da Fecomércio PR pondera a performance do varejo em sete regiões.

“As altas registradas na comparação com março do ano passado e fevereiro refletem a influência do Carnaval nos dias de abertura do comércio. Por isso não são motivos para comemoração. As expectativas para 2015, tanto por parte dos empresários, como dos consumidores, são pouco favoráveis. Teremos um ano difícil pela frente antes de se dissipar o clima generalizado de desconfiança que se abateu sobre o Paraná e sobre o país, sobretudo com as medidas de austeridade fiscal anunciadas pelo Governo Federal”, avalia Piana.

O cenário conjuntural da economia brasileira e da economia paranaense apresentaram neste primeiro trimestre de 2015 uma série de limitações de desempenho. Indicadores econômicos restritivos passaram a prevalecer: taxa de desemprego maior do que em igual período de 2014, a inflação em janeiro-março foi quase o dobro do mesmo período do ano anterior e o esgotamento da capacidade de endividamento do consumidor, impedindo-o de assumir novos financiamentos e tendo comprometida sua capacidade de pagamento. “Todas as variáveis constituem indicadores que mantêm o sinal de alerta no comércio varejista, tanto no Paraná quanto nacionalmente”, avalia o presidente da Fecomércio PR.

 

Dados regionais

Na análise trimestral, o destaque ficou com Curitiba e Região Metropolitana, com aumento de 9,47% no faturamento. Na sequência, em relação às vendas do acumulado do ano, ficaram a região Sudoeste (2,48%), Oeste (1,39%) e Londrina (1,36%). Apresentaram indicadores negativos no trimestre as regiões de Ponta Grossa (-3,23%) e Maringá (-0,51%).

 

Variação das vendas

RM de Curitiba

Londrina

Maringá

Oeste

Ponta Grossa

Sudoeste

PARANÁ

Mês anterior

(Mar/2015 – Fev/2015)

19,01%

14,92%

13,95%

14,97%

1,27%

23,29%

17,09%

Mesmo mês ano anterior

(Mar/2015 – Mar/2014)

16,69%

5,59%

2,35%

7,95%

-4,11%

13,25%

11,74%

Acumulado do ano

(Jan-Mar/2015 – Jan-Mar/2014)

9,47%

1,36%

-0,51%

1,39%

-3,23%

2,48%

5,66%

 

Dados completos da pesquisa e cadernos regionais disponíveis em:

www.fecomerciopr.com.br/servicos/pesquisas/pesquisa-conjuntural