ALTA NA PRODUÇÃO DE EMBALAGENS SINALIZA CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

 

No mundo da economia, existem setores que são sempre os primeiros a dar sinais de que as coisas estão melhorando. Um desse setores bateu recorde histórico de produção no mês de outubro.

As fábricas de embalagens tradicionalmente aumentam as vendas nesta época do ano, por conta dos presentes de Natal. Mas, em 2019, o aumento foi ainda maior. É um dos sinais de que a produção industrial vem crescendo. Outras fábricas estão encomendando mais caixas, pacotes, para embalar tudo que produzem.

Em outubro, o setor bateu recorde. As fábricas de embalagens produziram juntas, pela primeira vez, mais de 334 mil toneladas de caixas, acessórios e chapas de papelão, um aumento de 2,7% em relação ao mesmo mês de 2018.

Na fábrica da família de Daniel Leiner, o crescimento em 2019 foi de 10%.

“Eu acredito que isso que estamos vivenciando agora na embalagem vai aparecer para o consumidor e para o mercado como um todo em poucos meses”, disse ele.

O papelão é considerado um dos termômetros da economia. O empresário já viu a temperatura subir e descer nos últimos anos. Em 2015, no Jornal Nacional, ele lamentava a queda nas encomendas.

“Pior do que está não vai ficar. As coisas tendem a melhorar."

Mas pioraram. Em 2016, o setor teve a menor produção dos últimos anos. Daniel demitiu funcionários.

Hoje, as vagas já voltaram a ser ocupadas e mais 35 operários começam a trabalhar ainda em 2019. E a expectativa desse especialista é que essa retomada se consolide em todos os setores.

“Está havendo uma recuperação no nível de emprego, que já está refletida na chamada massa de salários de todo o país. E é por isso que, inclusive, alguns analistas estão explicando as razões para o aumento do consumo, para o consumo de energia residencial e, aí vem na esteira de todo esse processo, o uso de embalagens”, disse o economista José Pio Martins.

Na empresa de Sérgio Froguel, 12 vagas estão abertas.

“Temos um quadro todo desenhado para que 2020 tenha um aumento significativo no nosso número de negócios”.

Nilson Alves da Cruz é um dos que conseguiram emprego na esteira desse crescimento. Foi contratado em novembro, depois de dois anos vivendo de bicos.

“Os planos estão tudo certo já, primeiro pagar as contas, depois realizar o sonho dos pequeninhos, que é passar a virada de ano na praia. Graças ao emprego”.

 

FONTE: JORNAL NACIONAL