VENDAS DO COMÉRCIO AUMENTAM 0,7% EM SETEMBRO E ACUMULAM CINCO ALTAS CONSECUTIVAS

 

Com altas generalizadas em sete das oito atividades pesquisadas, o volume de vendas do comércio varejista nacional cresceu 0,7%, em setembro em comparação com agosto. Este é o quinto resultado positivo consecutivo do setor no ano, com ganho acumulado de 2,4% no período, de acordo com Pesquisa Mensal de Comércio, divulgada hoje pelo IBGE.

As maiores altas em setembro ocorreram nos segmentos de Móveis e eletrodomésticos (5,2%), Tecidos, vestuário e calçados (3,3%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,8%) e Combustíveis e lubrificantes (1,2%).

Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,5%), Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%) e Livros, jornais, revistas e papelaria (0,2%) mantiveram-se estáveis. A única taxa negativa foi observada em Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-2,0%), após avanço de 3,8% no mês anterior.

“Vale ressaltar a desaceleração das vendas no segmento de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%), que nos últimos meses vinha impactando positivamente o desempenho do setor varejista. O segmento cresce, mas a um ritmo menor em setembro”, analisou a gerente da pesquisa, Isabella Nunes.

Os índices do comércio varejista foram positivos tanto para o fechamento do terceiro trimestre de 2019 (2,6%), como para o acumulado dos nove primeiros meses do ano (1,3%), ante iguais períodos do ano anterior. No acumulado nos últimos 12 meses, o indicador ficou estável passando de 1,4% em agosto para 1,5% em setembro.

Isabella destacou que o trimestre encerrado em setembro é o décimo positivo e mostra uma recuperação no ritmo de venda em relação ao primeiro (0,3%) e o segundo (1%) trimestres. “Os números mostram um dinamismo nos últimos meses, evidenciando um maior ritmo da atividade comercial. Houve uma recuperação ao longo de 2019 e o terceiro trimestre mostrou um ritmo mais forte de vendas, espalhando o crescimento de outras atividades para além das vendas de hipermercado”, ressaltou.

 

FONTE: AGÊNCIA IBGE