FELICIDADE, INOVAÇÃO E NEGÓCIOS NO 1º SEMINÁRIOS DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS DO PARANÁ

- A felicidade pode ser conquistada com treinamento. Vendedores felizes fecham 56% mais vendas.

- A inovação é uma aliada. A sensação de que “vou ficar supérfluo” está longe da verdade.

- O Paraná é um estado de muitas oportunidades para pessoas visionárias, para quem não perde a chance de fazer bons negócios.

 

Ficou curioso? Saiba que a curiosidade é uma das qualidades fundamentais para quem quer superar os desafios do mundo moderno e se tornar um profissional de sucesso. Mas onde a felicidade entra nesse contexto? Pessoas felizes são entusiastas, otimistas, buscam sempre novos desafios, conhecimento, influenciam positivamente ao seu redor, são multiplicadores, valorizam as relações pessoais, são mais humanas.

E a inovação? Inovação é informação, diagnóstico, poder. Para vender é preciso conhecer. A internet nos permite isso: comunicação e troca de informações com qualquer lugar do planeta.

Estes temas impactantes para a nossa profissão são aliados importantes no dia-a-dia do contato com clientes, na busca por novas representadas, no processo de vendas, na definição de novos conceitos. Por isso eles foram escolhidos para o 1º Seminário dos Representantes Comerciais do Paraná, evento realizado no Hotel Sheraton, em Curitiba, no último sábado, 26, com palestrantes de nível internacional, para mostrar aos profissionais registrados no Conselho Regional dos Representantes Comercias do Paraná (CORE-PR) que é hora de mudar paradigmas.

Para o presidente da entidade e dirigente do Sindicato dos Representantes Comerciais do Paraná (SIRECOM-PR), Paulo César Nauiack, a angústia e a ansiedade provocadas pelo medo do novo estão afetando de forma preocupante os profissionais de vendas, que não sabem como acompanhar essa nova realidade criada pela tecnologia.

“Esse medo não tem razão de ser. Ele gera uma sensação incapacitante e profissionais infelizes. É uma visão falsa, equivocada. A tecnologia é uma grande ferramenta para os representantes comerciais, basta conhecê-la. É um processo de reeducação. A inovação nos desafia todos os dias a sermos melhores, mais ousados, mais comunicativos, a rompermos barreiras e sermos disruptivos. E mais importante na nossa profissão: a nos conectar e conhecer pessoas, dando a elas tratamento diferenciado e individualizado. Tudo é informação e tudo gera negócios”, disse Nauiack.

Palestrantes de renome internacional

O seminário comemorativo ao mês do Representante Comercial reuniu na Capital paranaense o fundador do Congresso Internacional de Felicidade e idealizador da Escola Brasileira de Ciências Holísticas, Gustavo Arns. Coordenador do curso “GBA da Felicidade: Transformando pessoas e organizações”, da ISAE Escola de Negócios, Arns falou sobre a "A Ciência da Felicidade e o Impacto nas Empresas e Organizações".

A segunda palestra apresentou o tema "Gestão na Era Pós-Digital", com Walter Longo, um dos maiores especialistas em comunicação e interatividade do Brasil, com passagens pelo Grupo Abril, agências de publicidade, empresas digitais, conselhos de corporações nacionais e internacionais e participação na versão nacional do programa O Aprendiz, criado por Donald Trump e estrelado aqui por Roberto Justus. Longo é autor dos livros “O Marketing na Era do Nexo" e “Marketing na Era Pós-Digital”.

Para falar das perspectivas de desenvolvimento do Paraná e das oportunidades de negócios para os representantes comerciais, o convidado foi um colega de profissão, o vice-governador do Estado e presidente licenciado da Fecomércio-PR, Darci Piana.

 

Estamos contratando pessoas felizes

Tendência global, a felicidade é um dos movimentos mais procurados pelas pessoas do mundo inteiro. Governos se preocupam cada vez mais com a felicidade e o bem-estar das pessoas. Para Gustavo Arns “a felicidade é uma habilidade que pode ser praticada e cultivada, conquistada a partir de treinamento”.

“É preciso ter um olhar cuidadoso para as sensações do nosso corpo e sintomas que possam surgir e afetar nossos objetivos. A partir daí, é possível construir boas metas pessoais e profissionais, focando na direção certa que você quer caminhar”, explicou.

Como na vida pessoal, os impactos da felicidade no mercado de trabalho são indiscutíveis. “Vendedores felizes fecham 56% mais vendas”, afirmou Arns.

Mas no Brasil, pesquisas mostram que não estamos exercitando a felicidade. No mercado de trabalho, 9 a cada 10 brasileiros apresentam ansiedade. Outro estudo apontou que de julho de 2018 até agora, a doença que mais incapacita trabalhadores é a depressão. E ainda: dos povos da América Latina, os brasileiros são os mais deprimidos.

Tão difícil quanto definir o que é felicidade, é saber como atingi-la. Arns explicou que felicidade é a combinação de bem-estar físico, espiritual, intelectual, relacional e emocional. “O equilíbrio entre esses aspectos é que irá definir se estamos caminhando em direção aos nossos objetivos.

Uma estratégia, segundo ele, é “traçar metas semestrais, mensais, semanais e diárias que auxiliem a construir uma possibilidade factível de chegar onde se almeja”. Para isso, é necessário despertar o olhar positivo sobre a vida, afastar o negativo, identificar o que está dando certo, registrar momentos bons do dia-a-dia e praticar a gratidão.

“Não se pode deixar que os momentos de tristeza, amargura, raiva e sofrimento nos façam desistir do que buscamos. Compreender essas sensações e aceitá-las faz com que possamos passar pelas dificuldades mais rápido e mais preparados para construir um futuro como planejado”, afirmou.

“No encontro do ordinário é que encontramos o extraordinário. A vida é mais que a felicidade. A vida é um superpoder”, finalizou.

 

Saímos da Idade Média para entrar na Idade Mídia

A palestra do publicitário Walter Longo para os representantes comerciais destacou as grandes mudanças que estão transformando a gestão empresarial e a difícil adaptação ao novo ambiente tecnológico. Mostrou que é hora de assumir novas atitudes.

“Apresentamos exemplos práticos de como as empresas e profissionais precisam rever seus paradigmas e estabelecer novas formas de comunicação num mundo disruptivo”, explicou.

“Estamos finalmente saindo da Idade Média – a era do consumo ditado pela média - para entrar na Idade Mídia – onde tudo é informação. O big data, a inteligência artificial e a internet das coisas serão o centro dos negócios daqui pra frente, a nova premissa para tratar individualmente pessoas e empresas aparentemente iguais. Cada indivíduo será visto como um universo à parte”, explicou.

Para Walter Longo, a constante troca de informações entre pessoas e dispositivos que as cercam garantirá que cada experiência seja única. “Se antes as marcas precisavam entender de negócios, agora precisam entender de pessoas. Hoje em dia todos querem conteúdo específico de acordo com o momento em que estão vivendo. Não existe mais o conceito de público, existem pessoas”. Por isso, o marketing da era digital exige compreensão de mercado e sincronicidade com seus públicos, exige capacidade de adaptar o seu produto ou serviço a cada indivíduo - e não fazer que o consumidor se molde à sua empresa.

Longo lembrou que a informação está disponível e conhecimento é poder. A tecnologia permite compartilhar informações, moldar opiniões e influenciar a sociedade. Para ele, o representante comercial terá que passar de tutor a mentor. “Nunca a coragem de rever paradigmas foi tão importante”.

O publicitário explicou também que a tecnologia é essencial, mas não o suficiente. Tão importante quanto ferramentas ou armas digitais é a empresa desenvolver uma alma digital para acompanhar os novos tempos em que as tecnologias assumem um papel de destaque. “A verdade é que ter uma alma digital é mais uma questão de ótica do que de fibra ótica”, disse. Isso significa empoderar o capital intelectual, buscar entre os colaboradores aqueles que possam liderar, criar um ambiente de meritocracia.  “Estamos num momento de valorização dos indivíduos, onde a relação é mais importante”.

Ele concluiu sua palestra dizendo que “precisamos ser o CEO de nós mesmos”.

 

Um estado de oportunidades

Convidado para falar de perspectivas de desenvolvimento do Estado, o vice-governador Darci Piana destacou as principais iniciativas do Governo do Paraná e provocou a plateia de representantes com a frase “venda é um negócio extraordinário e a gente vende todos os dias”. A referência à profissão que ele também exerce serviu para conectar negócios à oportunidades, mostrando que o Paraná vem sendo planejado para o presente e o futuro, abrindo infinitas possibilidades comerciais em todas as áreas.

Piana afirmou que nos últimos 9 meses o Estado atraiu R$ 20 bilhões em investimentos privados, o que demonstra confiança da iniciativa privada no governo, e apresentou diversos projetos – em planejamento ou execução, num portfólio de investimentos avaliados em R$ 350 milhões, entre obras de infraestrutura rodoviária, ferroviária e de segurança pública.

O vice-governador afirmou que o Executivo estadual busca parcerias com a iniciativa privada para concretizar alguns destes projetos e também trabalha em sintonia com o Governo Federal e o Congresso Nacional.

Ele destacou o fim da autofagia política que dominou o Paraná durante anos e que felizmente acabou. “Hoje os três senadores paranaenses - Álvaro Dias, Flavio Arns e Oriovisto Guimarães – dialogam com o governo estadual em benefício do interesse público. Assim podemos produzir e trabalhar com eficiência”.

Darci Piana falou sobre o Governo 5.0, que vai interligar todas as secretarias estaduais, dando transparência às ações de governo e colocando a tecnologia a serviço da vida dos paranaenses. Mostrou o Voe Paraná, que hoje atende mais doze cidades do interior; o novo programa de concessão de rodovias, que vai ampliar a concessão dos atuais 2.500 para 4.100 km, além da obra da segunda ponte Brasil Paraguai, já em andamento. Explicou os projetos de três novos portos, da nova ferrovia que vai interligar Paranaguá a Aracaju (MS) e do Ramal Ferroviário Cascavel / Foz do Iguaçu.