A ERA DOS PAGAMENTOS INSTANTÂNEOS CHEGA EM 2020 PARA AMPLIAR COMPETITIVIDADE

Com operação de uma rede aberta e ampla de pagamentos instantâneos no país bastará o uso de um smartphone e de QR Codes para fazer quaisquer quantias mudarem de lugar na mesma hora. A plataforma deve ser lançada em novembro do ano que vem, data proposta pelo Banco Central para se iniciar uma primeira fase de transações.

 

 

Um dia a dia sem dinheiro vivo e sem os riscos de segurança associados a ele. É o que se vislumbra, no longo prazo, a partir da operação de uma rede aberta e ampla de pagamentos instantâneos no país, na qual bastará o uso de um smartphone e de QR Codes para fazer quaisquer quantias mudarem de lugar na mesma hora. Em processo de discussões e de elaboração do seu funcionamento desde 2018, a plataforma deve ser lançada em novembro do ano que vem, data proposta pelo Banco Central para se iniciar uma primeira fase de transações.

Caberá ao BC fazer a administração e desenvolver a base de dados para esse sistema de pagamentos instantâneos, que são entendidos como transferências eletrônicas nas quais a transmissão da mensagem de pagamento e a disponibilidade dos fundos para o recebedor acontecem em tempo real. A lógica é similar à velha conhecida Transferência Eletrônica Disponível, que é efetuada entre bancos, mas -diferente da TED- a operação não ficaria limitada a horários: a ideia é ter serviço disponível 24 horas por dia, sete dias por semana, inclusive nos feriados.

Outro objetivo da novidade é a construção, de fato, de um ecossistema de pagamentos, o que significa a integração de mais gente do que apenas os bancos como operadores das transações monetárias. "O que a gente percebe de muito interessante no caso do Brasil é que essa rede pretende interligar não só instituições financeiras (os bancos, as cooperativas), mas ela praticamente abre para qualquer empresa", avalia Alexandre Pinto, diretor de novos negócios da Matera, empresa de tecnologia voltada ao mercado financeiro, varejo e gestão de riscos.

Nesse cenário, "[o fornecedor do serviço de pagamento instantâneo] pode ser um banco, lógico, mas pode ser um varejista, pode ser uma empresa de tecnologia, as fintechs, pode ser uma concessionária de serviços, energia, telecomunicações; é uma rede aberta para vários players", enumera ele.

Na prática, as perspectivas são de mais competitividade e, consequentemente, de preços menos salgados para os usuários, conforme os objetivos explicitados pelo próprio Banco Central. Dentre as lacunas que se pretende resolver com o instrumento, diz-se que "as transferências eletrônicas interbancárias de crédito, como a TED e o DOC, estão longe do seu potencial de utilização, principalmente por causa das tarifas elevadas para essas operações".

Novos ares

Tratados pelo BC como a inovação que pode oxigenar o ambiente, os pagamentos instantâneos devem reduzir a fila de intermediários, mas ainda demandarão a existência de contas transacionais, afinal o dinheiro tem que sair de um lugar para ser destinado a outro, mas essas contas não precisarão mais ser atreladas ao sistema financeiro tradicionais nos mais diversos tipos de relação - seja P2P, B2C ou B2B (ponto a ponto, negócio-consumidor ou negócio a negócio).

O que deve ocorrer é uma relação mais direta, menos burocrática e que reduza custos também para o recebedor. "A gente tem um cliente [na Matera] que emite 100 mil boletos por semana. Numa rede de pagamento instantâneo, ele poderia mandar uma notificação via aplicativo, um SMS, a pessoa autorizaria o pagamento e está pago. Então, ele "mata" só nessa brincadeira o custo de quase 500 mil boletos ao mês que pagaria ao banco", exemplifica Alexandre Pinto.

Do jeito que a banda toca hoje, o varejo também se beneficiaria com menos custos, na avaliação do especialista. "Um varejista recebe hoje principalmente por cartão, débito ou crédito e paga taxação por isso. Nós estamos falando de uma taxa por transação de 1,5% ou 2,5%; recebe em 30 dias normalmente; se ele quiser antecipar vai ter que pagar mais uma taxa. Isso é muito pesado", avalia, "então ele vai ter um incentivo muito grande para se conectar nessa rede diretamente ou via um parceiro de tecnologia", acredita.

Em construção

Para alcançar os resultados desejados, é imprescindível que a rede brasileira de pagamentos instantâneos ganhe escala, o que vai depender da ampla adesão dos interessados nas duas pontas (pagadores/recebedores e a potencial rede de prestadores do serviço). O interesse, entretanto, dependerá de quais serão os moldes da operação, que ainda estão em fase de elaboração pelo Banco Central acompanhado de diversas outras instituições, por meio de fórum específico.

Essas especificações do ecossistema estão na terceira versão (divulgada agora em setembro), mas as discussões não estão encerradas. Seguem sendo desenhados padrões de conectividade e comunicação de dados, criptografia, fluxos de efetivação dos pagamentos entre diversos outros itens para a que se alcance competitividade a partir das regras do segmento, de acordo com o BC.

Mesmo que sem regulamentação concluída, diversas empresas começam a apostar em soluções que flertam mais ou menos abertamente com o novo ambiente. Apenas para citar duas movimentações, a AmbeV já anunciou que está montando uma fintech para se relacionar com compradores e o Itaú lançou neste ano o iti, que se antecipa à plataforma geral que deve surgir a partir de 2020.

 

FONTE: GAZETA DO POVO