JUROS DO CHEQUE ESPECIAL E DO ROTATIVO DO CARTÃO SOBEM E VÃO ACIMA DE 300%

 

Taxa do cheque especial ficou em 322,2%; do cartão de crédito em 300,1%. Dados são do Banco Central.

 

Os juros do cartão de crédito rotativo subiram em junho e atingiram 300,1% ao ano. A alta foi de 0,3 ponto percentual em relação a maio, quando estavam em 299,8% ao ano.

Foi a taxa mais alta verificada desde maio de 2018, quando estava em 302,7%. Em relação a junho do ano passado, houve alta de 8,3 pontos percentuais. Os dados foram divulgados nesta 6ª feira (26.jul.2019) pelo Banco Central.

A taxa de juros do rotativo regular –aplicada quando o cliente paga o valor mínimo da fatura– subiu de 261,1% ao ano em junho de 2018 para 277,2%. A alta foi de 16,1 pontos percentuais no ano.

Já os juros na modalidade não regular –aquela em que o cliente não paga nem o mínimo da fatura– subiram de 313,3% para 316,4% em 1 ano, alta de 3,1 pontos percentuais.

As taxas de juros do cartão de crédito parcelado subiram de 168,1% para 175,6% no ano, alta de 7,5 pontos percentuais.

juros no rotativo: 300,1% ao ano;

regular: 277,2% ao ano;

não regular: 316,4% ao ano.

juros no parcelado: 175,6 % ao ano.

 

Desde 2017, estão em vigor medidas do Banco Central que buscavam reduzir os juros do rotativo. Pelas regras, o consumidor só pode pagar o percentual mínimo da fatura por 1 mês. Passado esse período, precisa quitar a dívida ou parcelá-la por meio de outra linha de crédito, mais barata.

As taxas de juros no país continuam elevadas para 1 cenário no qual a Selic, a taxa básica de juros da economia, está na sua mínima histórica, de 6,5% ao ano.

CHEQUE ESPECIAL TAMBÉM SOBE

A taxa de juros do cheque especial ficou em 322,2% ao ano em junho. Houve queda de 1,3 ponto percentual em relação ao mês anterior, quando estava em 320,9% ao ano. Em 12 meses, a taxa subiu 17,3 pontos percentuais. Essa é, hoje, a modalidade de crédito mais cara do mercado para a pessoa física.

Desde julho de 2018, os bancos estão obrigados a oferecer uma linha de crédito mais barata para os clientes que usarem mais de 15% de seu limite do cheque especial por mais de 30 dias consecutivos. A expectativa era que a medida, anunciada pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos), ajudasse a reduzir o custo do crédito no país, o que não foi verificado.

juros no cheque especial: 322,2% ao ano.

CRÉDITO PESSOAL

Nas operações de crédito pessoal, a taxa de juros ficou em 44,3% ao ano em junho, alta em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando estava em 43,9%.

No crédito pessoal não consignado, houve alta de 114,7% para 120,3% na comparação anual. Já no consignado –no qual há desconto direto no contracheque–, houve queda de 25% para 22,8%.

juros no crédito pessoal: 44,3% ao ano;

não consignado: 120,3% ao ano;

consignado: 22,8% ao ano.

JUROS MÉDIOS

Os juros médios praticados pelas instituições financeiras com recursos livres –operações de crédito contratadas com taxas livremente pactuadas entre instituições financeiras e clientes– registraram queda de 0,2 ponto percentual em junho na comparação anual. Passaram de 38,5% ao ano para 38,3%.

Os juros para pessoas físicas subiram de 53,1% para 53,2% (0,1 ponto percentual). Para a pessoa jurídica, o recuo foi de 20,3% para 18,7% (1,6 ponto percentual).

taxa de juros média (pessoas físicas e jurídicas): 38,3% ao ano;

pessoas físicas:  53,2% ao ano;

pessoas jurídicas: 18,4% ao ano.

INADIMPLÊNCIA

Os dados do BC apontam para recuo na inadimplência nas operações com recursos livres na comparação anual. A porcentagem passou de 4,4% em junho do ano passado para 3,8%.

Pessoas físicas seguem com inadimplência mais elevada, de 4,8%. Entre as empresas, o percentual é de 2,6%.

SPREAD BANCÁRIO

O spread para crédito de pessoas físicas e jurídicas subiu de 29,4 pontos percentuais em junho de 2018 para 31,5 pontos percentuais. Entre as pessoas físicas, subiu de 43,4 pontos percentuais para 46,2 pontos percentuais. Já entre as empresas passou de 11,9 pontos percentuais para 12,2 pontos percentuais,

Spread é a diferença entre o valor do juro cobrado dos bancos quando tomam empréstimos e as taxas aplicadas por essas instituições ao concederem crédito para os consumidores.

 

 

FONTE: PODER 360