FIAT CHRYSLER PROPÕE FUSÃO COM RENAULT. NEGÓCIO PODE CRIAR 3ª MAIOR MONTADORA DO MUNDO

 

A montadora Fiat Chrysler (FCA) apresentou nesta segunda-feira, 27, uma proposta de fusão com a francesa Renault, o que criaria o terceiro maior grupo mundial do setor.

Segundo a proposta da FCA, a montadora ítalo-americana seria dona de 50% das ações e o restante seria de propriedade da Renault. As ações teriam cotações nas bolsas de Nova York e Milão, explicou a Fiat Chrysler em um comunicado.

Após reunião ainda nesta segunda, o Conselho Administrativo da Renault decidiu estudar "com interesse" a proposta. "Depois de ter revisado atenciosamente os termos desta proposição amistosa, o Conselho Administrativo da Renault decidiu estudar com interesse a oportunidade desta aproximação, que reforça a marca industrial do Grupo Renault e gera valor adicional para a aliança", afirmou o grupo em nota.

A empresa comunicou que dará mais informação sobre as conversas "quando chegar o momento de informar ao mercado sobre os resultados", de acordo com as leis e regulamentos correspondentes.

Segundo a FCA, a fusão criaria o terceiro maior grupo automobilístico do mundo, com vendas anuais de 8,7 milhões de veículos e "uma forte presença em regiões e segmentos chave". A fusão não provocaria o fechamento de fábricas, afirmou a companhia.

As ações dos dois grupos operavam em alta após o anúncio. O título da FCA chegou a registrar avanço de 18% na Bolsa de Milão, antes de recuar para 14,30%, a € 13,094. A ação da Renault subia 13,65%, a € 56,81.

Aprovação da França e da Itália

governo francês é favorável à aliança, mas "é necessário que as condições da fusão sejam favoráveis ao desenvolvimento econômico da Renault e evidentemente aos funcionários da Renault", afirmou a porta-voz do governo francês, Sibeth Ndiaye.

O vice-primeiro-ministro italiano Matteo Salvini, líder da Liga, qualificou a operação como "brilhante". "Se a Fiat cresce, esta é uma boa notícia", afirmou.

A Fiat Chrysler indicou que a linha de produção das duas empresas é "ampla e complementar, e daria uma cobertura completa ao mercado, do segmento de luxo até o voltado para o grande público.

FCA e Renault produzem automóveis de nível intermediário e populares, o que significa que poderiam compartilhar os avanços tecnológicos, afirmam analistas.

A Renault poderia contribuir com sua tecnologia para o desenvolvimento de motores elétricos, enquanto a Fiat Chrysler entraria com sua conta no mercado americano e seus veículos 4x4 e picapes. / AFP e EFE

 

Companhias em números

 

Valor na Bolsa

Renault: € 17 bilhões

FCA: € 19 bilhões

Total: € 36 bilhões

 

Volume de negócios

Renault: € 57,4 bilhões em 2018

FCA: € 110 bilhões

Total: € 167,4 bilhões

 

Volume de vendas anuais

Renault: 3,9 milhões de veículos vendidos em 2018

FCA: 4,8 milhões

Total: 8,7 milhões

 

Lucro líquido

Renault: € 3,4 bilhões em 2018

FCA: € 3,6 bilhões

Total: € 7 bilhões

 

Lucro operacional

Renault: € 3,6 bilhões em 2018

FCA: € 4,1 bilhões

Total: € 7,7 bilhões

 

Margem operacional

Renault: 6,3% do volume de negócios

FCA: 3,7%

Lucro por veículo vendido

Renault: € 930 por veículo

FCA: € 848 por veículo

 

Principais marcas

Do grupo Renault: Renault, Dacia, Alpine, Lada e Samsung Motors

Da FCA: Fiat, Chrysler, Alfa Romeo, Jeep, Abarth, Lancia, Maserati, Dodge e Ram

 

Fontes: fabricantes e Center Automotive Research